sexta-feira, janeiro 26, 2007

saudades do fórum social mundial

Na praça de alimentação:
- bom dia, senhor, o que vai ser?
- hmm... você sabe me dizer se essa bolachinha é feita com sal marinho?
- hããã...
(vai perguntar no fundo da cozinha e volta)
- É... Tudo o que a gente tem é orgânico e natural.
- Ah bom. Então me vê duas.
Porra, não dá pra imaginar que algum lugar no meio do Quênia tenha as mesmas condições de apreciar devidamente um evento onde se vendiam camisetas com a cara do Stalin. Onde se agitavam bandeirinhas de Cuba em shows de rock. Onde se linchavam suspeitos de estupro com as próprias mãos. E onde até rolava alguma coisa legal nas entrelinhas quando se sabia procurar direito. Ou mesmo se não se soubesse, porque a deriva costuma ser mais eficiente nesses casos. Bem ou mal, um evento tão complicado, confuso, desorientado e vital quando o mundo que ele buscava representar. Foram uns tempos legais aqueles em que Porto Alegre existiu no mapa múndi. Até um bando de tapados resolver que um outro mundo só era possível sob as benesses de um único partido, incidentalmente aquele que governa o país (aliás, será que isso só parece estapafurdicamente absurdo pra mim?). Enfim, a tacanhice sempre vence, no fim das contas. Mas foi legal enquanto durou.

Um comentário:

Biti disse...

Pra mim também. Toda a semana fiquei pensando nisto, ainda bem que não estou só. E também a respeito desta palhaçada que são são os chamados "Fashion Shows". Mas, lendo a coluna do Pompeu de Toledo na Veja desta semana, me senti acompanhada. Ainda bem!!!